Estágio Supervisionado

por Mariana
Publicado: 04/04/2019 - 14:26
Última modificação: 17/01/2020 - 10:57

 

Estágio Supervisionado Obrigatório

Conforme o Art. 1º da Lei 11788/2008, “Estágio é o ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo de educandos”. A Resolução 2/2015 do CNE reafirma o Estágio Supervisionado como componente curricular obrigatório nos cursos de licenciatura, com carga horária, mínima, de 400 (quatrocentas) horas a ser realizado na área de formação e atuação na Educação Básica, contemplando também outras áreas específicas, se for o caso, conforme o projeto de curso da instituição (BRASIL, 2015).

O estágio visa ao aprendizado de competências próprias da atividade profissional e à contextualização curricular, objetivando o desenvolvimento do educando para a vida cidadã e para o trabalho.

É requisito indispensável para a formalização da conclusão de estágio a apresentação de relatório de atividades por parte do estagiário, em periodicidade nunca superior a seis meses, além de um relatório final, bem como a avaliação deste(s) relatório(s) por parte do professor orientador, do supervisor na parte concedente e do coordenador de estágio.

As discussões acerca do Estágio Supervisionado entre os pares dos cursos de licenciaturas da UFU partem do pressuposto de que o componente curricular Estágio Supervisionado é essencial à formação para o exercício da docência e se constituiu como o momento de imersão do aluno na realidade profissional. Nesse sentido, demanda de professores orientadores e supervisores, em parceria com os estudantes, um processo pedagógico dinâmico e dialógico, com reflexões coletivas acerca das experiências vividas no cotidiano da escola durante a realização do estágio. Nelas, diferentes dimensões de conhecimentos se integram, promovendo a construção da identidade profissional do estudante. O saber fazer de cada campo, o pensamento reflexivo sobre as escolhas teórico-metodológicas e os enfrentamentos das contingências que se fazem no aqui-e-agora da experiência no estágio são, pelo menos, três dimensões dessa complexidade, que não são separáveis do componente curricular no que diz respeito a horas práticas e horas teóricas.

Os encontros em sala de aula na universidade e/ou nos próprios espaços dos estágios fazem parte do contato entre professores e estudantes em escolas e outros espaços educativos que possam constituir campo para o estágio, conforme especificidades da atuação profissional na área e do projeto pedagógico do curso. Esses encontros têm como pauta situações cotidianas vivenciadas, articulando-se, em muitos casos, à pesquisa bibliográfica e à reflexão sobre os registros orais e escritos, partes constitutivas da prática docente.

A noção de professor como intelectual crítico, investigador, considerando sua constante mobilização/reflexão a serviço da emancipação e autonomia do professorado, são fundamentos da compreensão sobre o docente desse componente curricular e sobre a formação de professores que se deseja.

Nos contextos escolares, o estágio supervisionado inicia-se a partir do primeiro contato entre os estudantes e os professores orientadores dos cursos de licenciatura com o professor supervisor da escola de educação básica ou de outro campo de estágio, quando for o caso.

O complexo exercício da docência, nessa perspectiva, exige que os professores orientadores de estágio atuem junto aos seus alunos, procurando:

  1. privilegiar a escola pública como campo de atuação e espaço voltado para a inovação, valorizando o contato, a integração e o trabalho cooperativo entre a escola de ensino básico e a universidade, buscando a contínua melhoria da qualidade da formação do estagiário/professor;
  2. assegurar parcerias entre a universidade, escolas públicas de educação básica e outras instituições ou espaços educacionais;
  3. acompanhar, sempre que necessário, as ações do estágio em diversos momentos de planejamento;
  4. indicar que haja retorno sobre o estágio para as escolas de educação básica parceiras;
  5. articular os conhecimentos da universidade e de seus docentes, sua cultura, crenças, valores, com a vida dos professores da educação básica, a organização, os hábitos e os conhecimentos da realidade do ensino fundamental, médio e a educação de jovens e adultos, ou de outras instituições que desenvolvem atividades de ensino e aprendizagem.

Para que possa dar conta da complexidade e da amplitude de atividades que exigem o Estágio Supervisionado na perspectiva delineada, o professor desse componente curricular precisa dedicar a ele sua carga horária semanal teórica e prática de atividades de ensino. Esse professor deve ter conhecimento na área do estágio que englobe também a didática específica e seus fundamentos estabelecidos pelas pesquisas nessa área.

Para que possa orientar e acompanhar os estagiários com todas as exigências desse trabalho formativo na universidade e no campo de estágio, não pode ter sob sua responsabilidade um número maior de alunos do que o estabelecido pela Resolução nº 24/2012, do Conselho de Graduação. Precisa conhecer bem o projeto do curso e acumular experiência no componente curricular para que possa aperfeiçoar continuamente a prática pedagógica em um campo de atividades de grande amplitude e complexidade envolvendo instituições, sujeitos e conhecimentos em contextos distintos e, por vezes, conflituosos.

O professor de estágio coordena um processo pedagógico complexo que visa promover a reflexão sobre o trabalho docente e articulá-lo com os conhecimentos que devem integrar a formação e desenvolvimento profissional do professor do ensino básico.

Realizado dessa forma, o estágio supervisionado é também oportunidade concreta de ação formativa que articula ensino, pesquisa e extensão, aproximando universidade, escola de Educação Básica e outros espaços educativos.

Nos estágios obrigatórios, o aluno deverá, com planejamento prévio com o professor supervisor, observar aulas e realizar regências. Apesar da carga horária das disciplinas serem fixas, o estágio efetivamente realizado na escola será combinado entre os professores orientador e supervisor. Dentre as atividades a serem desenvolvidas ao longo do estágio estão: observação da rotina da escola; elaboração de plano de curso; elaboração de plano de aula; elaboração de atividades pedagógicas; regência; elaboração de relatório final de estágio e outros.

Durante a realização do estágio serão intensificadas as discussões envolvendo temáticas relevantes para a formação dos professores de Língua Portuguesa com Domínio de Libras, a fim de que possam desenvolver a prática de ensino, preferencialmente na rede pública de ensino, analisar as condições de ensino no Brasil e propor ações pedagógicas, visando a formação do futuro professor.

A Resolução No 24/2012, do Conselho de Graduação, apresenta as Normas Gerais de Estágio de Graduação da Universidade Federal de Uberlândia e deixa claro o papel dos sujeitos envolvidos no complexo processo de Estágio Supervisionado.

Os alunos do Curso de Graduação em Letras: Língua Portuguesa com Domínio de Libras, grau Licenciatura, têm possibilidade de desenvolver o Estágio Supervisionado na ESEBA-UFU – Escola de Educação Básica e, também em escolas públicas (Federais, Estaduais e Municipais), com as quais a universidade mantém convênio para o Estágio Supervisionado dos cursos de licenciatura. Além disso, é possível que, de acordo com necessidades e possibilidades, sejam firmados convênios também com instituições da rede privada de ensino por meio do coordenador de estágio.

Além da Resolução No 24/2012, do Conselho de Graduação, o Colegiado do Curso estabelece normas complementares que regem os seus respectivos estágios obrigatórios e não obrigatórios, obedecendo ao disposto nas leis que versam sobre a matéria e às diretrizes da UFU.

Durante o Estágio Supervisionado os graduandos veem a oportunidade de aprender e compreender o significado da docência. Além disso, podem despertar um olhar reflexivo para o cotidiano da escola (seu funcionamento, a estrutura física, ter contato com a sala de aula, quem são os alunos, como funciona a gestão da escola, como se dá a relação ensino/aprendizagem e como é ser professor). O Estágio Supervisionado é um momento de construção, de reflexão, de troca de saberes com a comunidade escolar. É uma atividade que precisa ser realizada pelos discentes, nos futuros campos de atuação profissional, onde os estudantes devem fazer a leitura da realidade e atuar. Para tanto, os docentes orientadores e supervisores de estágio trabalham em parceria para o sucesso das atividades de Estágio Supervisionado. Procura-se uma interação produtiva entre os docentes do curso e aqueles pertencentes a escolas concedentes para o estágio. A troca de experiências e a participação em atividades são mútuas. Com a construção de uma relação positiva entre os docentes orientadores e supervisores do estágio, o educando encontra condições de vivenciar diversos aspectos e atividades durante sua imersão escolar.

Dentre as dificuldades e os desafios vivenciados está a relação entre a teoria e a prática, a dúvida no que se refere a quais elementos, quais teóricos, qual linha de pensamentos vai-se seguir, quais metodologias serão mais apropriadas para determinados assuntos e/ou alunos. O estagiário pode encontrar alguns problemas de caráter disciplinar, coletivo ou individual, pode ter dificuldade de se adequar às regras da escola, pode não compreender a relação entre os atores da escola e os alunos. São muitas as variantes e os desafios da escola e o momento do estágio pode não abranger tempo suficiente para que o estagiário possa sanar todos os dilemas. É por meio da regência que os estagiários poderão refletir a práxis e perceber se conseguem alcançar os objetivos quanto ao ato de educar e é um momento de aprendizagem com os profissionais da área que já atuam há mais tempo.

O Estágio Supervisionado, portanto, é um momento de articulação entre a teoria e a prática, e a compreensão de que estamos inseridos em um contexto social e que as atividades que desenvolvemos implicam e são implicadas pelo que os outros fazem é uma das perspectivas necessárias ao entendimento da indissociabilidade entre teoria e prática. A teoria não está desvinculada da prática, nem esta daquela.

O Curso de Graduação em Letras: Língua Portuguesa com domínio de Libras aprovou em colegiado as Normas de Estágio que têm regido os trabalhos nesse componente curricular.

 

Estágio Supervisionado Não Obrigatório

O Estágio Supervisionado não obrigatório é aquele desenvolvido como atividade opcional e complementar. Para a formalização do Estágio não obrigatório, o discente deverá ter cursado, no mínimo, o 1º e 2º períodos do curso.

 

ORIENTAÇÕES E DOCUMENTAÇÕES:

ESTÁGIO INTERNO OBRIGATÓRIO, EXTERNO E LICENCIATURA

ESTÁGIO INTERNO NÃO OBRIGATÓRIO

 

Tópicos: