Curso

Curso de Graduação em Letras Português (Modalidade Presencial)

por Portal ILEEL
Publicado: 28/11/2017 - 17:00
Última modificação: 07/11/2019 - 14:33
Sobre o curso: 

História do Curso

O Curso de Graduação em Letras funciona na Universidade Federal de Uberlândia desde 1960, quando, então, foi criada a Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Uberlândia. Inicialmente, em regime acadêmico anual e, depois, em regime semestral. O reconhecimento do curso se deu pelo Decreto nº. 53477, de 23 de janeiro de 1964 e a última renovação de reconhecimento se deu pela Portaria MEC nº 764, de 21 de julho de 2017.

Em 2018, o curso passou por uma reforma curricular que buscou dar mais identidade à formação profissional do egresso, além de atender as legislações atuais, estando já dentro dos parâmetros da Resolução nº 2, de 1º de julho de 2015, do Conselho Nacional de Educação, que modificou consideravelmente a carga horária e a organização curricular dos cursos de formação de professores em nível superior do Brasil. O projeto do curso também atende à Resolução nº 15/2016, do CONGRAD/UFU, bem como ao Projeto Institucional de Formação de Professores da UFU, modificado em 2017.

A principal alteração resultante desta reforma foi o desdobramento do antigo curso de Licenciatura por habilitações em quatro cursos de Licenciatura autônomos, com estruturas de coordenação de curso independentes e projetos curriculares específicos para cada área, dentre eles, o Curso de Letras: Português e Literaturas de Língua Portuguesa.

Objetivos do curso

De modo articulado à legislação federal que define o perfil do profissional com grau de licenciado em Letras (Resolução CNE/CP  02/2015 e Parecer CNE/CP 028/2001), o curso de Letras: Português e Literaturas de Língua Portuguesa da Universidade Federal de Uberlândia tem como objetivos:

  • Formar diplomados na área de Língua Portuguesa e Literaturas, legalmente habilitados para o exercício profissional, na Educação Básica (Ensino Fundamental, Médio e Profissionalizante), em instituições públicas e/ou privadas de ensino;
  • Possibilitar a formação em diversas especialidades, na área de Letras, como docência, gestão de ensino, pesquisa, crítica de arte e literatura, escritor, revisão de textos, roteirista, assessoria cultural, entre outras atividades;
  • Promover a formação humanizada dos profissionais de Letras que consigam estabelecer relações entre linguagem e práticas sociais como preceito fundamental para a efetiva vivência da cidadania e do respeito aos Direitos Humanos;
  • Desenvolver competências básicas para uma prática docente em que se conciliem as reflexões teóricas em torno das linguagens e das literaturas com as diferentes realidades sociais do universo escolar contemporâneo;
  • Estimular a formação de um profissional de Letras sempre atento à necessidade de aperfeiçoamento e capacitação acadêmicos e pedagógicos, de acordo com as demandas do contexto político, social e cultural nacional e internacional;
  • Fomentar a construção de conhecimentos os quais, alicerçados nos fundamentos teórico-metodológicos dos estudos linguísticos e literários, levem em conta, em suas práticas acadêmicas e pedagógicas, as questões em torno da Lei nº 11.645/2008 sobre o ensino de culturas e literaturas africanas, afro-brasileiras e indígenas;
  • Desenvolver conhecimento teórico e prático em torno das particularidades da língua portuguesa e suas literaturas que permita flexibilidade de atuação em diversos contextos profissionais;
  • Oferecer elementos de autonomia intelectual ao aluno que lhe possibilite a capacidade de operar e explorar, como profissional de Letras, as diversas modalidades da língua portuguesa e de suas literaturas nos mais amplos campos de atuação;
  • Integrar as instâncias de Ensino, Pesquisa e Extensão, fomentando inter-relações contínuas entre os componentes curriculares, em seus aspectos de ressignificação constante com as práticas sociais e pedagógicas dentro e fora da escola.

Vagas e ingressos

O Curso de Letras: Português e Literaturas de Língua Portuguesa disponibiliza à comunidade 20 vagas no turno matutino e 20 vagas no turno noturno. O ingresso ocorre no primeiro semestre de cada ano letivo, sendo que a seleção de novos ingressantes é definida integralmente por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), gerenciado pelo Ministério da Educação (MEC).

Quando há ocorrência de vagas ociosas no curso, o preenchimento das mesmas ocorre por meio de edital específico elaborado pela PROGRAD-UFU, seguindo a Resolução 04/2016/CONGRAD, de 11/3/2016. Para mais informações sobre os editais para preenchimento de vagas ociosas, verificar o site www.ingresso.ufu.br.

Normas acadêmicas e critérios de avaliação

Estando inserido no contexto da Universidade Federal de Uberlândia, o Curso de Letras: Português e Literaturas de Língua Portuguesa atende à legislação superior da universidade, tendo como base normatização da vida acadêmica a Resolução Nº 15/2011, de 10 de junho de 2011, do Conselho de Graduação, que estabelece as Normas Gerais da Graduação.

No que concerne à avaliação da aprendizagem, serão atribuídos a cada disciplina 100 pontos em números inteiros e, no mínimo, em duas oportunidades diferentes. Para ser aprovado o aluno deverá alcançar o mínimo de 60 pontos na soma das notas de aproveitamento e o mínimo de 75% (setenta e cinco por cento) de frequência às aulas e outras atividades curriculares desenvolvidas.

O curso pactua com a prática coordenada e contínua da avaliação do processo ensino-aprendizagem vivenciado no curso, buscando compreender e aprimorar os diversos fatores e agentes que dele participam. As avaliações propostas pelos docentes no curso de Letras: Português e Literaturas de Língua Portuguesa devem ser periódicas e sistemáticas, compostas por elementos que permitam a identificação de diferentes nuances do que é avaliado, devendo o docente se preocupar em analisar a relação efetiva entre a pontuação alcançada e a aquisição de competências e habilidades, por parte do estudante.

Nessa linha de verificação da aprendizagem discente, é importante que sejam propostas avaliações formativas, por eixos de estudos temáticos, e não apenas somativas. Interessa também alternar atividades individuais e em grupos – que envolvam discussões e debates, desenvolvendo toda uma gama de instrumentos que possam levar o discente a construir seu conhecimento didático-pedagógico e que permita ao sistema de gestão do curso acompanhar e diagnosticar a evolução desse discente.

Os procedimentos de avaliação podem incluir, respeitando a especificidade de cada disciplina, os seguintes instrumentos, dentre outros: · Exames escritos ou orais; · Produção de resenhas, resumos, sínteses, ensaios e outros gêneros acadêmicos; · Exercícios orientados; · Produção de dossiês temáticos e/ou diários de curso · Realização de seminários; · Apresentação de trabalho oral; · Elaboração de projetos; · Planejamentos de atividades didáticas; · Elaboração de material didático; · Simulação de aula de regência no Ensino Básico; · Atividades de regência em escola-campo; · Relatórios de atividades práticas; · Composição de memorial reflexivo; · Relatórios de pesquisa; · Relatórios de Estágio Supervisionado; · Elaboração de portfólios; · Produção de artigo científico-acadêmico; · Trabalho monográfico.

Recomenda-se que, nas disciplinas com horas práticas, o sistema de avaliação seja realizado continuamente, dando forte ênfase à avaliação formativa, valorizando a produção de diferentes gêneros textuais próprios dos métodos de estudo e pesquisa em Letras, devendo ao final do curso ser organizados em Relatório individual (ou Portfólio) nas disciplinas de Estágio Supervisionado, ou em forma de memorial e de participação em seminário no Seminário Institucional das Licenciaturas – SEILIC.

Indica-se fortemente que os instrumentos avaliativos das práticas no PROINTER e no Estágio Supervisionado docente incorporem e validem momentos de autoavaliação, no intuito de estimular os futuros professores a compreenderem a atividade reflexiva como elemento inerente à prática docente de qualidade.

O Módulo 1 de TCC deve considerar como instrumento principal de avaliação a confecção de projeto de pesquisa, enquanto o Módulo 2 TCC visa à elaboração de monografia e/ou artigo, a ser analisado por banca (monografia) ou corpo de pareceristas (artigo). Quanto às disciplinas teóricas, o PPC do curso recomenda a aplicação de múltiplas avaliações, recorrendo também a uma diversidade de instrumentos, enfocando diferentes competências e habilidades.

Desta forma, incentiva-se os docentes a conduzirem suas avaliações buscando aliar métodos quantitativos aos qualitativos, gerando não apenas as notas necessárias ao histórico do aluno, mas também elementos que lhe permitam proceder a análise e, se necessário, o ajuste de suas estratégias didático-pedagógicas, promovendo um contínuo diálogo entre o planejamento e a vivência prática do ensino, no âmbito universitário.

A seguir, coloca-se na íntegra as normas de avaliação, expostas no Capítulo II do título VII, das Normas Gerais de Graduação da UFU (Resolução nº 15/2011, do CONGRAD):

 

CAPÍTULO II – DA AVALIAÇÃO

Art. 162. A avaliação será feita por componente curricular, abrangendo os aspectos de assiduidade e aproveitamento acadêmico.

§ 1o A assiduidade quantifica percentualmente a frequência do discente às atividades correspondentes ao componente curricular.

§ 2o O aproveitamento, ou nota, é o resultado da avaliação do discente nas atividades desenvolvidas no componente curricular.

Art. 163. Para efeito de aferição do aproveitamento, para cada componente curricular serão distribuídos 100 pontos, em números inteiros e, no mínimo, em duas oportunidades diferentes para os cursos de regime semestral, e em três oportunidades, para os cursos de regime anual.

Parágrafo único. O Colegiado de Curso poderá elaborar normas específicas de avaliação para Trabalhos de Conclusão de Curso e similares.

Art. 164. Para ser aprovado, o discente deverá alcançar, no mínimo, 60 pontos no aspecto do aproveitamento e 75% no aspecto da assiduidade às atividades curriculares efetivamente realizados. Ambos os índices determinam o aproveitamento final no componente curricular.

Art. 165. Havendo discordância quanto ao resultado de seu aproveitamento final no componente curricular (frequência e (ou) nota), o discente poderá impetrar recurso ao Colegiado de Curso, por meio de requerimento consubstanciado, no prazo de dez dias úteis, contados a partir do início do semestre letivo subsequente ao que o discente tiver cursado o componente.

Art. 166. Quando a avaliação for realizada unicamente na modalidade de prova oral, esta deverá ser realizada publicamente, devendo ser constituída uma banca examinadora com, no mínimo, dois professores.

Parágrafo único. As notas somente serão lançadas pelo docente em formulário próprio após o registro de que os discentes tomaram ciência delas.

 

Seção I – Da vista e revisão de atividade avaliativa

Art. 167. O docente deverá, obrigatoriamente, divulgar as notas obtidas pelos discentes nas atividades avaliativas no prazo de quinze dias úteis, a contar da data de sua realização, exceto em situações excepcionais, previstas no Plano de Ensino, ou em casos de força maior. Parágrafo único. Os meios utilizados pelo docente para divulgação das notas deverão ser estabelecidos pelo Colegiado de Curso.

Art. 168. O docente deverá conceder aos discentes o direito à vista das atividades avaliativas, num prazo de dez dias úteis após a divulgação dos resultados das referidas atividades.

§ 1o A vista da última atividade avaliativa do semestre ou ano letivo deverá ocorrer até o último dia do período letivo.

§ 2o No ato da vista de uma atividade avaliativa, o discente poderá solicitar ao docente a revisão da nota atribuída ao conjunto da atividade ou a partes específicas, indicando os motivos.

§ 3o Caso o pedido de revisão não seja atendido no ato da vista da atividade avaliativa, o docente terá prazo de cinco dias úteis para responder ao discente, mantendo ou alterando a nota atribuída.

Art. 169. Caso o discente ainda tenha motivos, poderá solicitar revisão, no prazo de cinco dias úteis após a resposta do docente, encaminhando requerimento com justificativas fundamentadas à Coordenação do curso em que estiver matriculado.

§ 1o O Coordenador de Curso tem autonomia para deferir ou não o requerimento.

§ 2o Verificada a necessidade de revisão, o Coordenador de Curso deve tomar providências para que, no prazo de cinco dias úteis, o docente apresente, por escrito, suas justificativas.

Art. 170. O docente pode elevar a nota, apresentando as necessárias considerações, confirmar a nota, aduzindo as razões dessa decisão, ou reduzi-la, no caso exclusivo de constatação de engano no somatório dos pontos.

Parágrafo único. O docente deverá comunicar o resultado da revisão ao Coordenador de Curso por escrito.

Art. 171. Em face da decisão, o discente poderá recorrer ao Colegiado de Curso, no prazo de cinco dias úteis após tomar conhecimento desta, mediante requerimento fundamentado.

§ 1o Sendo deferido o recurso, o Colegiado de Curso determinará a formação de uma banca que, no prazo de cinco dias úteis, emitirá parecer conclusivo.

§ 2o A banca, composta por, no mínimo, dois professores da área do conhecimento em que se insere o componente curricular a que se refere a avaliação, ou de área afim, poderá confirmar ou alterar a nota dada pelo docente.

Art. 172. As avaliações dos componentes curriculares: Práticas Específicas, Estágio Obrigatório e Trabalho de Conclusão de Curso, bem como aquelas de caráter prático ou instrumental, são regulamentadas por normas específicas dos cursos e eventuais revisões deverão ser realizadas em conformidade com estas normas. (Redação dada pela Resolução no 21/2015/CONGRAD, de 13/11/2015)

Art. 173. Vencidos os prazos estipulados para pedidos de revisão, o docente deverá devolver aos discentes todas as provas e outros tipos de avaliações do componente curricular.

§ 1o Após a devolução, não mais se admitirá pedido de revisão de nota.

§ 2o Após sessenta dias úteis, a contar do término do semestre ou ano letivo, as provas e outros tipos de avaliações dos componentes curriculares que não forem procuradas pelos discentes poderão ser descartadas.

 

Seção II – Da avaliação fora de época

Art. 174. O docente poderá, a seu critério e independentemente de justificativas, conceder a avaliação fora de época ao discente, respeitados os prazos de vista e revisão da atividade avaliativa, previstos por estas Normas.

Art. 175. Caso o discente tenha seu pedido de avaliação fora de época recusado pelo docente, poderá requerer ao Colegiado de Curso outra avaliação em substituição àquela a que esteve impedido de comparecer, no prazo de cinco dias úteis a contar de sua realização, mediante justificativa documentada.

§ 1 o São considerados impedimentos para comparecer à avaliação:

I – exercícios ou manobras efetuadas na mesma data e hora, em virtude de incorporação nos Núcleos de Preparação de Oficiais da Reserva (NPOR) (Lei no 4.375, de 17/8/64);

II – doença confirmada por atestado médico;

III – luto pelo falecimento de parentes; e

IV – qualquer outro fato relevante devidamente comprovado, a critério do Colegiado de Curso.

§ 2o Caso, por motivos de força maior, o discente não puder interpor o requerimento no prazo fixado neste artigo, poderá requerer, em data posterior, outra avaliação em substituição àquela em que esteve impedido de comparecer.

§ 3o Caso o Colegiado de Curso defira o requerimento, o docente terá cinco dias úteis para marcar a data de realização da avaliação.

Perfil profissional: 

Espera-se que o egresso do curso de Letras: Português e Literaturas de Língua Portuguesa da UFU seja apto a:
    • Empregar, de maneira proficiente, as modalidades escrita e oral da língua portuguesa, nos mais diversos gêneros do discurso de diferentes campos de atividade, com especial ênfase nos gêneros das esferas acadêmica e educacional.
    • Compreender e refletir sobre a linguagem, a partir da consideração de seu caráter discursivo e de sua natureza sócio-histórico-cultural e de suas propriedades estéticas e representativas.
    • Compreender, operacionalizar e refletir sobre os processos de textualização, radicalmente imbricados às problemáticas da enunciação, do funcionamento da língua e de suas condições de produção. 
    • Compreender, analisar e ler criticamente o texto como representação de mundo, sendo assim fundamental para a constituição e a divulgação das concepções de realidade, bem como para a construção das identidades coletivas e individuais.
    • Compreender, analisar e refletir, de modo pertinente, sobre os níveis de análise linguística, notadamente no que diz respeito à língua portuguesa, estando habilitado para a docência da língua portuguesa na educação básica e para a pesquisa linguística.
    • Compreender, analisar e refletir sobre os fenômenos da variação e da mudança linguísticas e suas implicações sócio-histórico-culturais, sendo capaz de abordá-los no contexto do ensino e da pesquisa.
    • Compreender, analisar e refletir sobre a língua portuguesa do Brasil enquanto um conjunto de variantes (diacrônicas, diatópicas, diastráticas, diamésicas), em que estão conjugadas, de maneira privilegiada, as matrizes da língua portuguesa de Portugal, de línguas indígenas no Brasil, de línguas africanas, de línguas de imigração e de fronteira.
    • Compreender e analisar as especificidades estético-representativas das modalidades textuais literárias da prosa e da poesia, especialmente em língua portuguesa, refletindo sobre as transformações conceituais, processuais e estilísticas que as conformaram ao longo da tradição literária, discutindo ainda sobre as áreas fronteiriças entre ambas.
    • Compreender e refletir sobre a língua portuguesa enquanto uma língua neolatina, que compartilha com outras o legado linguístico-literário da língua latina.
    • Refletir sobre as propriedades estéticas da língua portuguesa, em suas potencialidades lúdicas, estilísticas e figurativas, numa perspectiva que inclua o diálogo com outras formas de expressão artística, sendo capaz de abordá-los no contexto da pesquisa e do ensino.
    • Pensar e discutir, de forma pertinente, sobre as literaturas de língua portuguesa, tendo em vista a produção literária nos seus diversos períodos (nas modalidades textuais de prosa e poesia), a teoria literária, a crítica literária, a história e historiografia literária, a literatura comparada e a outros conhecimentos afins, estando, assim, capacitado à pesquisa literária e à docência da literatura nos níveis de educação fundamental, médio e superior.
    • Desempenhar o papel de formador de leitores e de produtores de textos diversos, bem como a orientar e mediar o ensino de língua portuguesa e suas literaturas.
    • Elaborar e executar projetos para desenvolvimento dos componentes curriculares de ensino de Língua Portuguesa e suas literaturas, bem como para produzir ou avaliar materiais e recursos didático-pedagógicos pertinentes a sua área de formação.
    • Lidar com os recursos tecnológicos aplicados ao ensino-aprendizagem de língua portuguesa e suas literaturas e às práticas de pesquisa linguística e literária.
    • Atuar na docência da língua portuguesa e de suas literaturas na educação presencial e à distância.
    • Atuar na docência em Língua Portuguesa e Literaturas Brasileira e Portuguesa, estando também capacitado a prosseguir estudos especializados nas áreas de Literatura, Linguística e Linguística Aplicada, sendo, pois, um profissional preparado para atuar tanto na docência no Ensino Fundamental e Médio, como para o ingresso na pós-graduação a fim de preparar-se para a carreira docente universitária. 
    • Inserir-se profissionalmente em vários campos vinculados ao conhecimento e à prática de modalidades textuais, como a indústria editorial, a crítica literária, a edição e revisão de textos, a assessoria ou consultoria em todos estes campos, além de áreas fronteiriças das artes e das ciências humanas.
    • Compreender a dimensão ética da docência e da pesquisa em linguística, língua portuguesa e suas literaturas, tendo em vista as suas implicações sociais e políticas e o seu papel formativo da constituição da cidadania.

Perfil do ingressante: 

Sendo um dos cursos mais antigos da UFU e, portanto, já contando com reconhecida tradição na formação de profissionais de Letras na região, pode-se dizer que há uma vasta compreensão qualitativa por parte do corpo docente e técnico do ILEEL a respeito das origens e especificidades do alunado que integra o curso. O perfil de ingressantes no curso de Letras da UFU – predominantemente originários da região que abrange o Triângulo Mineiro, Alto Paranaíba, Sul de Goiás e Noroeste de São Paulo – contempla, grosso modo, alunos que escolhem o curso de Letras como primeira opção e um significativo número de ingressantes que escolhe o Curso como segunda opção. Existe, ainda, um certo número de ingressantes que procura o Curso como segunda graduação. 
De um modo geral, o aluno que vem cursar Letras: Português e Literaturas de Língua Portuguesa concebe o curso como formador de professores para o ensino fundamental e médio, que habilita exclusivamente para a docência, não tendo, a priori, conhecimento de que um Curso de Licenciatura em Letras, conforme preveem as Diretrizes Curriculares Nacionais, atende a objetivos de formação mais multifacetados, que pode também capacitá-lo para a pesquisa, ou ainda, que a proposta pedagógica do referido curso está alicerçada numa abordagem em que não se separam o ensino, a pesquisa e a extensão, incorporando-se plenamente aos princípios da UFU. Vale ainda considerar que há certo número de alunos que veem a graduação em Letras como uma possibilidade de formação universitária que possa lhes oferecer uma melhor competência de leitura e escrita, que poderá vir a ter algum valor no contexto de suas vidas profissionais em outras áreas, ou no âmbito pessoal. 
O perfil dos ingressantes no curso de Letras: Português e Literaturas de Língua Portuguesa é, portanto, heterogêneo. O planejamento das ações da formação desta graduação deve ser feito considerando essa realidade heterogênea. Isso impõe desafios para pensar numa formação do graduando, que construa um perfil de egresso minimamente coerente com o que a comunidade acadêmica compreende como apropriado a quem se forma em Letras: Português e Literaturas de Língua Portuguesa, tendo em vista uma cultura universitária que pretende formar um profissional da linguagem preparado para a atividade docente inseparável da pesquisa e que, também, possa se beneficiar dessas habilidades, quando for o caso de atuar em outras profissões.

Habilitação: 
Licenciatura
Regime acadêmico: 
Semestral com entrada anual
Turno de oferta: 
Matutino, Noturno
Duração: 
4 anos
Prazo mínimo: 
4 anos
Prazo máximo: 
6 anos
Número de vagas oferecidas: 
20 vagas no período matutino e 20 vagas no período noturno. 40 vagas anuais.
+55 34 3239-4124 R:4124
Secretaria
Luciano Theodoro
+55 34 3239-4124 R:4124
Endereço: 
Campus Santa Mônica - Bloco 1G - Sala 1G251
Av. João Naves de Ávila - 2121 - Bairro Santa Mônica
Uberlândia - MG - CEP 38408-144
Tópicos: